Signos complementares e opostos

Você já ouviu falar que os opostos se atraem? Pra astrologia isso faz sentido! Por estarem em polos opostos no zodíaco, dois signos específicos são considerados metades de um inteiro. São signos que apresentam características bem distintas, mas ao mesmo tempo complementares. Essas diferenças podem, por sua vez, gerar ou não equilíbrio.

Os signos opostos e complementares da astrologia são, conforme você vê no zodíaco abaixo: Áries e Libra; Touro e Escorpião; Gêmeos e Sagitário; Câncer e Capricórnio; Leão e Aquário; Virgem e Peixes.

Imagem: zodíaco | signos opostos e complementares

ÁRIES E LIBRA

Enquanto Áries representa impulsividade, a iniciativa e o ‘eu’, Libra representa equilíbrio, a contemporização e ‘os outros’. Quando aprendem um com o outro e utilizam suas melhores qualidades juntos, conseguem pensar racionalmente antes de agir, focando no que é essencial. 

TOURO E ESCORPIÃO

A intensidade e possessividade são marcas de Escorpião, enquanto o desejo pela segurança e estabilidade são as marcas de Touro. Quando aprendem um com o outro, Escorpião passa a transmitir segurança e Touro, que por sua vez, passa a compreender o domínio não material almejado por Escorpião.

GÊMEOS E SAGITÁRIO

Embora ambos sejam comunicativos e expansivos, lidam com a vida de forma diferente. Quando aprendem um com o outro, Sagitário aprende a ser mais leve e menos dogmático, enquanto Gêmeos com sua versatilidade conquista o zelo de Sagitário.

CÂNCER E CAPRICÓRNIO

Um é sentimentalismo puro (Câncer), enquanto o outro é praticidade pura (Capricórnio). Quando aprendem um com o outro, Câncer ensina Capricórnio a ser mais suave e este, por sua vez, leva amadurecimento à relação. 

LEÃO E AQUÁRIO

A dominação é marca de Leão, enquanto a liberdade é marca de Aquário. Quando aprendem um com o outro, Leão passa a ser mais altruísta e Aquário usa todo dinamismo de Leão para orientar seus passos.

VIRGEM E PEIXES

Praticidade e perfeccionismo são marcas de Virgem. Peixes, por sua vez, é emotivo e sonhador. Quando aprendem um com o outro, Virgem passa a lidar melhor com seus sentimentos e Peixes atinge o equilíbrio emocional.

Esse é um breve resumo dos signos complementares e opostos. Ficou curioso(a) para saber mais? Inscreva-se na lista de espera do Novo Curso da Cia dos Astros: https://www.ciadosastros.com.br/ 

Casas astrológicas

Na astrologia existem doze casas astrológicas, que representam diferentes áreas da vida. Ao analisar um mapa natal é possível identificar maior ou menor presença de planetas ou pontos em cada uma dessas casas. Áreas que estão mais preenchidas, naturalmente, recebem maior atenção.

Diferente dos planetas, signos e elementos, as casas astrológicas não emanam energia, mas mostram em qual área da vida ela pode se manifestar. É importante destacar que caso não haja algum planeta numa casa, isso não quer dizer que essa área da sua vida não é importante. O astrólogo analisa essa casa especificamente de acordo com a energia do signo que está em sua cúspide.

A ordem das casas astrológicas é orientada pelo signo ascendente, ou seja, o signo que surge no momento do seu nascimento ao leste do horizonte. Ele é a cúspide, também chamada de linha divisória, da primeira casa. As outras casas dão a volta no sentido anti-horário, ou seja, em ordem decrescente.

É interessante observar que em um único dia, um ascendente se move através de todos os signos do zodíaco. Dessa forma, as cúspides mudam de um signo para outro. Isso reforça a necessidade de saber a hora exata e local em que você nasceu, para tornar possível uma análise precisa das casas.

UM BREVE RESUMO DAS CASAS ASTROLÓGICAS

CASA 1

É a casa do ascendente e revela o modo como você aparece para os demais. Diferente do que a astrologia popular prega, essa casa não trata da sua essência mas de um comportamento inconsciente escolhido. A casa 1 é a sua persona, a sua máscara social.

CASA 2

Representa a segurança, principalmente do ponto de vista material, e tem uma analogia com o signo de Touro. É uma casa ligada às questões de sobrevivência e conforto. Por isso, indica o modo como você adquire e aplica seus recursos financeiros.

CASA 3

Essa casa tem uma analogia ao signo de Gêmeos e  fala da troca de informações e, principalmente, às questões de ensino-aprendizagem. O comércio e os processos de negociação também são indicados pela casa 3.

CASA 4

É uma casa de intimidade e diz muito sobre a sua origem, suas raízes (antepassados, família, início e final da vida), e pra onde você vai.

CASA 5

Você já ouviu falar que a casa 5 tem a ver com os filhos? Pois é, faz todo sentido. Ela diz respeito àquilo que você cria e ninguém mais faz igual. Por isso, ela também é uma casa de autoafirmação!

CASA 6

A casa 6 diz respeito a tudo aquilo dentro do eixo da vida e tem uma analogia com o signo de Virgem, principalmente no quesito funcionalidade. Quem tem uma boa casa 6 tem facilidade para se organizar no dia a dia e tende a ser bastante produtivo. Como ela é uma casa ligada aos hábitos, também se relaciona com a saúde. Por isso, bons hábitos resultam em saúde. Maus hábitos, por sua vez, em doenças.

CASA 7

A casa 7, ao contrário da casa 1 (eu), fala do outro. É uma casa, curiosamente, ligada ao casamento e também ao inimigo declarado. É ela que indica as relações de contrato, sejam amorosos ou profissionais, como uma sociedade.

CASA 8

Essa casa diz respeito aos recursos do seu parceiro, no casamento ou nos negócios. A casa 8 também está relacionada àquelas informações ocultas, segredos e recursos intangíveis. É uma casa que tem uma analogia com o signo de Escorpião, e pode representar uma situação de crise. Indica, por isso, a necessidade de uma resolução imediata!

CASA 9

A casa 9 tem um significado muito interessante, já que é uma casa de elevação ao ponto máximo (rumo ao meio do céu). Isso quer dizer que a sua visão de mundo e tudo que você faz para ampliar seus horizontes, tanto em relação às pessoas quanto ao conhecimento, são questões indicadas na casa 9.

CASA 10

A casa 10 tem uma analogia com o signo de Capricórnio, que busca galgar novos horizontes, e se relaciona com a sua profissão.  É uma casa muito ligada ao topo, a hierarquia e busca pelo reconhecimento, além do relacionamento com o seu chefe.

CASA 11

É uma casa social e expressa os interesses coletivos de um grupo. Por isso, a casa 11 é casa ligada a sindicatos, aos condomínios e às agremiações. Além disso, é uma casa muito ligada ao planejamento coletivo.

CASA 12

A casa 12 está ligada àquilo que é extraordinário, ou seja, a tudo aquilo que não costuma acontecer. Além disso, existe um inconsciente da casa 12 que é ligada aos inimigos ocultos, ou seja,  pessoas que falam de você pelas costas.

Como essa casa é orientada pela aceitação, é importante que você não lute contra as situações que surgirem e simplesmente aceite-as.

Quem tem planetas na casa 12 tende a ser muito empático e, por isso, pode escolher o sacrifício em prol de um grupo. Assim, é comum que o trabalho desempenhado seja em hospitais ou prisões, por exemplo.

Como a casa 12 também é uma casa de isolamento, é natural que pessoas com muitos planetas nessa casa precisem ficar sozinhos para voltar ao mundo ordinário com mais energia e disposição. 
Esse é apenas um breve resumo das casas astrológicas. Ficou curioso(a) para saber mais a fundo sobre o tema? Inscreva-se na lista de espera no Novo Curso da Cia dos Astros: https://www.ciadosastros.com.br/

Os 4 elementos e a astrologia

Você já parou para pensar que nós experimentamos os quatro elementos desde a nossa concepção? Na barriga, ainda bebês, ficamos imersos no líquido amniótico (elemento água); à medida que o tempo passa, vamos nos ligando ao corpo material (elemento terra). Com força e a gigante iniciativa do trabalho da natureza, os batimentos cardíacos surgem (elemento fogo). É quando, em resposta a todas essas mudanças e à própria vida, os pulmões passam a respirar pela primeira vez (elemento ar).

Abrimos o post com essa incrível e poética analogia para tornar a compreensão o mais lúdica possível! Preparado para entender a relação dos quatro elementos e a astrologia?

Desde o momento em que Aristóteles difundiu a ideia dos quatro elementos: água, terra, fogo e ar, muitas pessoas fazem uso deles para algum tipo de orientação. Se voltarmos lá atrás na história vamos encontrar relatos de viajantes que usavam as quatro direções da bússola como orientação, assim como navegantes.

Todos nós temos os quatro elementos no mapa natal. A presença maior ou menor de cada um deles, guiada pelos planetas e o ascendente, indicam características importantes. Isso explica o motivo por trás da seguinte afirmação: “mas eu não me identifico com o meu signo.” Quando você não se identifica com o seu signo solar, uma das razões pelas quais isso pode acontecer é a falta desse elemento no seu mapa, ou seja, ele está representado somente pelo Sol.

O QUE POSSO APRENDER COM OS 4 ELEMENTOS?

Os quatro elementos podem ser divididos em dois arquétipos humanos importantíssimos: o feminino (Yin) Água e Terra – e o masculino (Yang) – Fogo e Ar. De um lado há a introspecção feminina e de outro, a expansão masculina.

Essa divisão nos ensina que é necessário identificar, compreender e honrar nossas características para alcançar mais equilíbrio. É a astrologia, mais uma vez, tornando possível o entendimento de si e do outro – se algum dia você for um astrólogo, mais especificamente.

A PRESENÇA DOS 4 ELEMENTOS NO MAPA NATAL

Você conhece alguém cheio de energia e vigor, que anima qualquer saída ou encontro, e alguma outra que parece estar sempre com pouca disposição? Certamente, sim. Pois é, essa situação pode ser explicada pela maior ou menor presença do elemento Fogo no mapa natal. Confira abaixo algumas características sobre cada um dos elementos:

FOGO

Esse elemento na astrologia representa o poder de ação e iniciativa. Geralmente, pessoas com grande presença do elemento fogo no mapa natal tendem a ser mais positivas, otimistas e vigorosas. Estão sempre animando os círculos sociais e demonstram força e perseverança na vida pessoal, profissional e social. No entanto, nem tudo são flores. Um desequilíbrio neste elemento, ou seja, um fogo fora de controle pode ser devastador. A pessoa pode se tornar alguém fora de controle, eufórica, autoritária ou agressiva, tanto verbalmente quanto fisicamente.

TERRA

Representa estabilidade e solidez. Pessoas com uma presença maior do elemento terra no mapa natal tendem a ser passivas, introspectivas e serenas. No entanto, os signos de terra lidam com sua característica elemental de forma bem distinta. Enquanto Touro produz, por exemplo, Virgem aperfeiçoa. Capricórnio, por sua vez, planeja e administra.

AR

O elemento água representa o intelecto e a comunicação. Pessoas com maior presença do elemento no mapa natal tem a razão e a lógica favorecidas em detrimento das emoções. Assim como no elemento fogo, os signos de ar também lidam com sua característica elemental de formas distintas. Gêmeos comunica, Libra equilibra, enquanto Aquário revoluciona.

ÁGUA

O elemento água representa as emoções e a sensibilidade. Pessoas com maior presença do elemento água no mapa natal tendem a ser mais pacientes, empáticas e imaginativas. Por outro lado, tendem a ser mais influenciáveis e sensíveis emocionalmente.

Ficou curioso para entender mais a fundo os quatro elementos? A temática faz parte do Novo Curso de Astrologia que foi desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Entre na fila de espera >>> http://ciadosastros.com.br 

Como a astrologia pode ajudar em questões cotidianas?

A astrologia nasceu há milhares de anos, a partir da necessidade de explicar a influência da movimentação dos planetas no nosso comportamento e na nossa vida. Anos e anos depois, essa busca pelo autoconhecimento passou a ser superficial, principalmente com a explosão das redes sociais.

Acontece que mais do que signos, a astrologia é um conjunto complexo de medições do céu, procurando compreender a correspondência do que ocorre lá em cima com o que ocorreu ou ocorre na terra. Em outras palavras, a Astrologia é baseada no que postulou Hermes Trismegistus: “Assim é em cima, como é embaixo”. E assim cada constelação e planeta adquiriu significados que nos orientam como interpretar a qualidade de cada momento, para assim fazermos prognósticos e previsões. Os planetas, por exemplo, foram nomeados de acordo com deuses romanos e, ainda hoje a mitologia serve de alicerce para os estudos astrológicos. Além dos planetas e dos signos há, ainda, as casas astrológicas – doze no total, que regem importantes áreas da nossa vida – e os aspectos planetários, que representam as distâncias angulares (ângulos) formados entre os planetas, de natureza harmônica ou tensa, que também nos influenciam em diferentes níveis. Mas como tudo isso pode nos ajudar em questões cotidianas?

A astrologia é um dos primeiros aprendizados humanos dos quais se tem notícia. Sua herança pode ser encontrada em ruínas de diversas civilizações antigas: Roma, Grécia, Babilônia e China, por exemplo. Seu princípio fundamental é o princípio hermético da correspondência, explicado acima, constatando-se que o posicionamento dos astros pode explicar uma série de fenômenos.

Ao observarmos onde os planetas se encontram no nosso mapa natal, temos consciência das nossas facilidades e dificuldades, de integração, desenvolvimento e de desarmonia, de maior ou menor limitação. Isso não quer dizer que não tenhamos livre-arbítrio para  exercer nosso poder de escolha, mas o que acontece é uma resultante dessas influências: nossa vontade e inclinações que descobrimos pelo uso correto da interpretação astrológica.

Mais do que nos orientar cotidianamente, a astrologia exerce o incrível poder de ajudar a compreender o momento em que estamos, expandindo nossos horizontes e nos oferecendo maior segurança para tomar decisões, seja na vida pessoal ou profissional.

Em momentos de crise e de mudanças, como as previstas para este ano, nada mais oportuno do que fazer essa jornada de forma mais leve, conscientes de que cada um de nós tem seu próprio caminho!

Eu, Sérgio Pupo, espero por você no Novo Curso da Cia. dos Astros >>>  https://www.ciadosastros.com.br/ 

Um jeito novo de estudar astrologia

Se você nos acompanha há algum tempo, sabe que o nosso curso de astrologia surgiu a partir do desejo de formar astrólogos. No final do ano passado houve uma mudança na Cia dos Astros, a saída da Márcia e do Carlos. Nossa parceria foi imprescindível e o sentimento que fica é o de gratidão! Essa mudança desencadeou uma outra, fundamental e cheia de expectativas: a reestruturação do currículo do Curso da Cia dos Astros!

Nessa reestruturação do currículo, o principal objetivo foi integrar as informações de forma sistematizada para que o seu aprendizado seja mais efetivo! Aproveito o ensejo para convidar você, curioso e apaixonado pelo universo astrológico, para conferir o nosso Curso de Formação Básico, que iniciará AINDA ESTE MÊS!

Para entender melhor o que mudou, assista o vídeo abaixo:

Ansioso para mergulhar nesse novo aprendizado? Eu, Sérgio Pupo, espero por você! Acesse o site e faça já sua inscrição >>> https://www.ciadosastros.com.br/

O que esperar de Urano em Touro?

Urano em Touro começou em 2018 e ficará neste signo até 2025, mas o que esperar desse posicionamento? Como a astrologia funciona por analogia, para entender melhor a combinação dessas energias, vale lembrar do significado de cada um!

Enquanto o signo é um pano de fundo, o planeta é um gerador de eventos e acontecimentos. Dessa forma, Touro está dando o tom de como Urano vai trabalhar durante este período.

Urano foi descoberto mais ou menos na época da Revolução Francesa. A França vivia um período em que a monarquia era extremamente opressora e sugava todo dinheiro da população. O movimento libertário proposto pela revolução tem tudo a ver com Urano, um planeta que promove a liberdade. Imagine que você vivesse na França, em meio a uma casta de pessoas que dominava tudo, e fosse um miserável. O que aconteceu nesse período foi uma organização da população menos favorecida e uma conspiração, o “vamos nos unir, porque estamos sendo oprimidos.” Tudo isso tem a ver com Urano! Esse movimento cooperativo gerou a revolução e, depois, a monarquia.

Liberdade, igualdade e fraternidade, lema da Revolução Francesa, resumem muito bem Urano. O planeta tem a ver com o desenvolvimento de utopia, aquilo que você deseja, mas só consegue implementar quando se organiza em grupo.

Urano tem a ver com quebra de padrões, paradigmas, rupturas e o inesperado. Inquietação, criatividade e genialidade também tem a ver com o planeta, que representa a quebra com a mesmice e a chegada da inovação. Eletricidade, tecnologia e as grandes descobertas tecnológicas também tem a ver com Urano.

A mitologia é sempre muito útil para compreender os significados astrológicos. Uranos, que se casou com Gaia (Terra), representa o céu. Ao olharmos para o céu, temos a noção de espaço, infinito e liberdade e de ir além, sem fronteiras. Além disso, é interessante observar que Urano gerava um filho atrás do outro. Esse filho novo que nascia era uma novidade. A partir do momento em que era gerado, vinha um novo e Urano desprezava o anterior. Por isso, o caráter do planeta em abandonar o que se tornou velho. O planeta é, então, abortivo; tem muitas ideias a cada dia, e só se interessa pelo que é novo.

O signo de Touro, por sua vez, é um signo de elemento Terra, de ritmo fixo e de polaridade feminina. As polaridades funcionam da seguinte forma: a masculina gera influência no ambiente externo, isto é, age de dentro para fora. Os signos de Fogo e Ar têm polaridade masculina, portanto exalam, agem sobre o externo. Já os signos de polaridade feminina – Terra e Água fazem o inverso: captam o que está fora e absorvem e compreendem o ambiente externo. Touro, então, por ser de polaridade feminina tem o poder de captar o que está acontecendo. A polaridade feminina da água capta a emoção, a energia e o sentimento. A de Terra compreende o espaço ao redor, a realidade, a dimensão tempo-espaço.

Vamos unir esses significados para saber o que esperar desse posicionamento? Urano, que representa a inovação, entrou em 2018 no signo de Touro, que significa uma energia de manutenção. Mas enquanto Touro está em busca de segurança, o planeta Urano busca mudanças. Parece contraditório, mas vamos ver como funciona dinâmica. Touro tem um senso de realidade muito bom, é pragmático, rígido e busca colocar os pés na Terra para saber o que pode ser feito. Busca estabilidade e manutenção da sua segurança e conforto material.

Mas como Urano é o planeta da inovação e ele está passando pelo signo de Touro, essa inovação vai acontecer com o viés da rigidez desse signo e de polaridade feminina. As inovações tendem então a ocorrer nas áreas que são caras à Touro, como as finanças, a agricultura, a terra, e tudo o que representa conforto e estabilidade. Portanto à partir de 2018 podemos esperar um crescente movimento global em busca de cooperação. O cooperativismo e as ações colaborativas devem ficar cada vez mais disseminadas e frequentes, em detrimento da competição predatória que ocorreu com Urano em Áries. É uma cooperação em busca de segurança!

Urano em Touro provoca movimentos que devem ser reforçados até 2025, com relação a forma de se trabalhar com a agricultura, por exemplo. A agricultura que foi desenvolvida pelo capitalismo é o resultado de monoculturas imensas, exploração e empobrecimento do solo, sem falar nos agrotóxicos. Touro tem a ver com a alimentação e toda parte sensorial, o olfato e o paladar. Por isso, podemos esperar pelo desenvolvimento de uma agricultura cada vez mais cooperativa na qual a exploração do solo não é mais predatória, mas sustentável, já que isso faz bem para o coletividade.

Touro também tem a ver com o que traz segurança, principalmente do ponto de vista material. A relação com o dinheiro e com bens também vão sofrer mudanças. Por exemplo, isso já está ocorrendo e se disseminando: ao precisar de uma bicicleta você não necessariamente irá comprá-la, mas poderá usá-la de forma coletiva e temporária numa estação de bicicletas. O compartilhamento de recursos é, portanto, algo que ganha espaço com Touro em Urano.

Outra provável mudança para esse período é a revolução e a conspiração contra o sistema monetário vigente. Quando o assunto é dinheiro, podemos pensar na disseminação do bitcoin ou de outras moedas virtuais, disruptivas e baseadas em tecnologia (Urano). Inicialmente o bitcoin foi desenhado para ser um sistema de pagamentos. Depois de um certo tempo ele passou a ser usado para acumular recursos e servir como fonte alternativa para garantir poupança e segurança material. A revolução das moedas eletrônicas pode até não ocorrer totalmente, mas é muito possível uma grande disseminação delas.

A questão fundamental do dinheiro também tem a ver com a mudança do paradigma de não haver um sistema monetário centralizado ou a utilização de moedas específicas dentro de cada país. Com Urano em Touro é possível que os bancos centrais de cada país percam o poder que têm hoje para administrar suas moedas locais como fazem atualmente, talvez aceitando subordiná-las a um sistema de pagamento descentralizado, inspirado na no blockchain do bitcoin. E se isso de fato ocorrer, seria até factível a substituição do padrão dólar por alguma moeda eletrônica mundial e descentralizada! Essas são possibilidades bem possíveis se pensarmos nos significados astrológicos de Urano em Touro, somada a uma eventual crise financeira global, tal como historicamente ocorre nas conjunções Saturno e Plutão (cuja última se iniciou em 2019 e atinge seu grau exato em 2020). Não ficaria surpreso inclusive, se até 2025 ocorresse até mesmo uma reformulação do capitalismo, talvez passando a ser menos predatório e mais cooperativo e sustentável.

Outra possibilidade muito provável é alguma mudança muito importante na forma de lidar com o meio ambiente. A exploração extrativa e predatória tende a ser punida, por não ser sustentável. A partir de Urano em Touro, os recursos materiais em geral devem passam a ser mais compartilhados, e os recursos finitos (petróleo, minérios, etc), substituídos ou reciclados.

Para finalizar, também pode haver uma mudança muito importante em relação aos valores individuais, que passam a ser menos valorizados do que os coletivos. O cooperativismo será cada vez mais forte!

Quer aprender mais sobre previsões astrológicas? A temática faz parte do Novo Curso de Astrologia que vem sendo desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Ficou curioso para saber mais? Acesse o nosso site >>> http://ciadosastros.com.br/ 

Conjunção Saturno e Plutão em Capricórnio e seus efeitos em 2020

Estamos passando por um momento coletivo bem difícil no céu, que começou no ano passado e deve se intensificar este ano. Isso se explica pela conjunção Saturno e Plutão em Capricórnio que aconteceu no grau exato dia 12 de Janeiro. Mas o que isso significa? Para entender o significado desse posicionamento é necessário retomar alguns conceitos.

Basicamente, Capricórnio é um signo ligado a questão de estrutura. Quem tem muitos planetas neste signo tem uma profunda noção de como gasta seu tempo, porque o regente de Capricórnio é Saturno ou Cronos, o senhor do tempo. É um signo, portanto, de Terra, que conhece a dimensão de tempo e espaço, tem uma clareza e um pragmatismo muito forte de como são as coisas, é frio e calculista. É um signo que se preocupa em estruturar as coisas e, por isso, ambicioso, além de exigente com si e com os outros. Como tem uma analogia com o inverno no Hemisfério Norte, ele está sempre preocupado com a escassez e se prepara para as situações de vida onde isso pode acontecer, como a velhice. Além disso, é extremamente perseverante e trabalhador, porque sabe que a sobrevivência está ligada ao esforço. O conservadorismo é também uma característica, pois o que deu certo no passado deve continuar dando agora. Novidade é uma palavra que dá medo para o signo de Capricórnio.

Saturno, regente de Capricórnio, tem algumas características muito parecidas com o signo. O planeta é como dito anteriormente, o senhor do tempo. Por isso, é representado por um velho que atingiu certa idade e acumulou muitas experiências. Saturno é um planeta ligado a estruturas, ou seja, fazendo analogia a um prédio: você estrutura sua vida e quando chega no topo não corre o risco de ter sua fundação comprometida, seja pelo vento ou outro motivo. A estruturação de Saturno funciona por acúmulo de experiências: erros e acertos. Dessa forma, é possível observar o que dá certo ou não e se apegar ao que realmente funciona. Saturno também tem a ver com senso de realidade, com a frieza de Capricórnio e com racionalidade e daquilo que dá certo.

Saturno tem a ver com limites. Ao mesmo tempo em que há o desejo de galgar patamares superiores de forma bem estruturada e sólida, é necessário conhecer muito bem os seus limites, até onde você pode ir e quais são suas habilidades. Compromissos e responsabilidades também estão relacionados ao planeta. Além disso, há uma questão intrínseca a Saturno, que é o medo de errar. Como busca a perfeição por acúmulo de experiências, quando encontra algo novo acaba lidando com um sentimento de insegurança e cautela. Isso pode gerar, muitas vezes, uma paralisia. A vontade de fazer tudo perfeito, nesse sentido, pode acabar dando aquela travada em determinadas situações. Isso é Saturno!

Plutão, por sua vez, é Hades – o deus do submundo, e tem a ver com o poder. É um poder intimidatório e ameaçador. O planeta também tem a ver com uma dicotomia muito importante: morte e renascimento, fundamental para o signo de Escorpião  – regido por ele. Por isso, ele fala de morte e ressurreição. Esse poder é quase supremo, porque ou fica intacto e devasta, ou se auto destrói. E após a morte, vem o renascimento. Onde há Plutão no mapa há poder de regeneração, potencial de poder, intimidação, destruição ou renascimento.

Levando em consideração todos esses conceitos, a conjunção de Saturno e Plutão em Capricórnio significa, em primeiro lugar, o fim de um ciclo e o início de outro.

A última conjunção de Saturno e Plutão aconteceu em 82. Ao voltarmos à história, essas conjunções ocorreram em períodos de disputa de poder, como 1914 no estopim da Primeira Guerra Mundial. O controle é Saturno, o poder é Plutão. Quando ocorre esse encontro no céu há, além de questões ligadas ao poder e a dominação, radicalismos. A Primeira Guerra gerou uma grande crise econômica em 1929, sem falar na destruição da Alemanha que havia começado a guerra. E o esforço de renascimento dessa nação gerou a Segunda Guerra Mundial, por sua vez. A última conjunção, que aconteceu foi em 1982, foi cenário da guerra fria e o pavor coletivo da hecatombe nuclear pela disputa entre EUA e Rússia, o que causou tensão à toda população. Essa conjunção tem a ver, portanto, com medo (Saturno) e tudo ou nada (Plutão).

Do ponto de vista mitológico, Saturno teve vários filhos. Dentre os quais: Zeus, Hades (Plutão) e Poseidon (Netuno). Esses três filhos desafiaram o pai e entraram numa guerra longa – alguns relatos dizem que ela durou dez anos – que destronou o pai. Saturno e Plutão são portanto inimigos mitológicos e, por isso, numa conjunção eles representam um período de grande tensão coletiva e econômica.

O que esperar então em 2020? Essa conjunção foi se aproximando no ano de 2019, ficou exata no dia 12 de Janeiro e, certamente, desencadeará uma série de acontecimentos tensos neste ano. Além disso, Júpiter e Marte também estão se aproximando dessa conjunção.

Já vimos tensões econômicas entre os EUA e a China desde 2019. Isso deve se intensificar ainda mais em 2020. Essa disputa por poder econômico e de influência deve deixar reflexos a nível mundial. Também é possível que aconteça algum tipo de crise financeira aguda, principalmente por causa da disputa entre esses dois gigantes. Há, então, uma potencial crise econômica global. Conflitos bélicos também podem acontecer, despertando novamente o medo coletivo e de escassez. 

Outra possibilidade, devido a disputa de poder, é o abuso de autoridade. Quem está por cima tem medo de ser destronado. Isso pode acontecer tanto a nível de nações como nas hierarquias empresariais.

Essa insegurança pode acontecer inclusive dentro das famílias; os pais podem se sentir intimidados pelos filhos, por exemplo. O medo e intensificação de tensões podem então acontecer dentro de qualquer hierarquia.

Diante disso, é recomendado não entrar em disputas de poder. Ao perceber que você se encontra no meio de algum tipo de tensão ou acirramento de opiniões e disputas, procure não entrar no jogo. As coisas podem ganhar uma proporção destrutiva e incontrolável.

Plutão fala muito de términos e principalmente de desapego. Ao invés de se apegar ao status quo, procure desapegar-se dele. Evite radicalismos. Procure não fazer investimentos financeiros de risco, porque o grau de volatilidade e de crises intensas deve ser muito grande. Choques econômicos e tensões a nível mundial podem acontecer, como na questão entre EUA e Irã. Se houver uma guerra, o preço do petróleo deve subir e isso causará consequências globais. Por isso, procure fazer investimentos conservadores! Vale tomar cuidado com possibilidades de perdas. Além disso, tente manter o equilíbrio e evitar o medo, apego ou insegurança. Com certeza, tomando essas atitudes, seu 2020 será melhor!

Quer aprender mais sobre previsões astrológicas? A temática faz parte do Novo Curso de Astrologia que vem sendo desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Ficou curioso para saber mais? Acesse o nosso site >>> http://ciadosastros.com.br/ 

Casas astrológicas: 10 a 12

Quem acompanhou a sequência de posts aqui no blog, viu que da casa 1 até a casa 9 passamos por diversas áreas da vida. Enquanto a casa 9 é uma casa de elevação ao ponto máximo do mapa, a casa 10 é o ponto máximo.

A CASA 10

A casa 4 é o nível mais inferior e íntimo do mapa natal, enquanto a casa 10 é uma casa do topo, ou seja, é uma casa absolutamente pública. Mais do que o ascendente, que é o modo como você se mostra individualmente, a casa 10 mostra a forma como você é visto coletivamente.

Por que a casa 10 tem a ver com profissão?

A profissão é a forma como normalmente você é visto publicamente. Entretanto, antes de tratar do aspecto profissional, a casa 10 é uma casa de reputação. Ela trata da forma como cada um de nós é visto pelo grande público. Alguns significados podem ser acrescentados por analogia.

A casa 10 tem uma analogia ao signo de Capricórnio, representada por uma cabra que escala, pula e mede com rigor qual é o próximo salto a ser feito. Dessa forma, existe o lado estratégico do signo para escalar até chegar ao topo. Do ponto de vista astrológico, isso significa galgar patamares cada vez mais superiores e ser bem visto pela coletividade, ou seja, casa 10. Entende como essa analogia se relaciona com a profissão que você tem?

Essa casa trata portanto de hierarquia, do topo e se relaciona com a necessidade de ser visto, lembrado e reconhecido. Por isso mesmo, tem a ver com reputação. Se pensarmos na casa 9, que tem relação com os estudos mais amplos, a casa 10 é uma casa de excelência. Ao passar da casa 9 e atingir a casa 10, você começa mostrar e mostrar publicamente todo o conhecimento ao qual teve acesso. Assim, você mostra o seu melhor publicamente!

Quem tem Sol ou planetas na casa 10 tende a ser ambicioso e busca, não necessariamente em termos financeiros, mas de status e prestígio, ser reconhecido. São pessoas que buscam reconhecimento pelo aperfeiçoamento e, desejam estar sempre entre os melhores profissionais. Têm um ideal de excelência.

A casa 10 também tem a ver com a escalada de Capricórnio e, por isso, com a hierarquia e com o chefe. Se você tem Marte na casa 10, por exemplo, é provável que você bata de frente com seu chefe e se empenhe para crescer tomando iniciativas, eventualmente, criando choque com quem está acima de você nessa escalada. Já se você tem Urano na casa 10, é provável que você não goste de ter chefe porque isso tira sua autonomia.

Todas essas questões de casa 10: hierarquia, profissão, status, imagem pública, excelência e carreira têm a ver com o pai ou uma figura paterna ou materna.

A CASA 11

A casa 11 tem uma analogia com o signo de Aquário. Além disso, é bem comum ser vista como uma casa de amigos. Por outro lado, gosto de ampliar esse significado para todos os grupos sociais.

Vale lembrar que Aquário é o oposto de Leão (regido pelo Sol com um ponto no meio). A casa 11 revela a descentralização do centro, ou seja, que todas as pessoas deveriam ser iguais. Quem tem planetas na casa 11 procura se socializar de um jeito em que todos trabalham por um objetivo em comum. Essa casa social, portanto, trabalha com grupos sociais que se reúnem para atingir esse objetivo comum: a turma do chopp, a turma da academia e assim por diante. É a casa ligada a sindicatos, aos condomínios e às agremiações que têm objetivos comuns. Logicamente, ela tem a ver com amizades, mas não como na casa 7 – eu e o outro. Ela tem a ver com várias pessoas juntas, a galera, os grupos sociais.

Outro significado importantíssimo da casa 11 é o lado disruptivo de Aquário, muito ligado ao futuro. Ela é uma casa de planejamento. Quem tem planetas na casa 11 – principalmente Sol ou Saturno – se preocupa com o futuro e procura ver sua própria vida a partir de uma perspectiva do tempo, ou seja, o que vai acontecer daqui a 3 meses, 6 meses, 1 ano, 3 anos, 5 anos, 10 anos, 20 anos, 50 anos e assim por diante. Essa perspectiva de tempo é importante para quem tem planetas na casa 11. Propor algo novo no futuro também tem a ver com essa casa. Perguntas como ‘pra onde eu vou?’ e ‘pra onde nós vamos como sociedade?’ A casa 11 é a casa da sociedade, das relações sociais e do coletivo.

CASA 12

A casa 12 tem uma analogia com Peixes. Enquanto este signo enxerga o todo, o oposto dele –  o signo de Virgem – enxerga o micro, o sistemático, o ordinário (casa 6). A casa 12, por sua vez, enxerga o extraordinário, ou seja, tudo aquilo que não acontece cotidianamente.

O inconsciente da casa 12

A casa 12 está relacionada ao inconsciente, ou seja, todas aquelas coisas que as pessoas enxergam a seu respeito, mas você não tem consciência. Uma analogia é pensar a casa 12 como se fosse as suas costas, ou a sua nuca: todos as vêem, mas não você. Além disso, essa casa se relaciona com a questão da entrega. Na casa 12 você não tem que fazer, tem que aceitar.

Pegando o gancho da aceitação, todo mundo tem uma casa 12 e uma parte de si não percebida. Aí moram os inimigos ocultos. São pessoas que falam de você pelas costas, sem a sua consciência. O que resta é simplesmente aceitar essa situação.

Existem alguns planetas difíceis na casa 12, com exceção de Netuno e Júpiter. Marte, por exemplo, que é iniciativa, num campo que você não domina ou tem clareza, justamente porque tem a ver com o inconsciente, pode ser mais complicado. Quem tem planetas nessa casa intui mais do que os outros, se relaciona mais com o extraordinário e o mundo metafísico, com o trabalho sacrificial (voluntário) e a entrega.

Quando você se vê diante da necessidade de aceitar algo, que remete muito ao signo de Peixes, você não atua, simplesmente aceita. A casa 12 tem a ver com esse auto sacrifício, portanto. Quem tem planetas casa 12 costuma se sacrificar em prol da humanidade, trabalhando em hospitais, prisões, ou se doando através de trabalho voluntário e assistência a outras pessoas mais necessitadas. A doação sem esperar nada em troca, também tem a ver com a casa 12. 

Além de doação e entrega, essa casa tem um significado essencial: isolamento. Quem tem planetas na casa 12 –  Sol e Lua, por exemplo – precisa se retirar do mundo ordinário e corriqueiro para ficar sozinho em alguns momentos. Essa ação é necessária para recarregar suas energias.

Quer aprender a interpretar seu mapa natal? A temática faz parte do Novo Curso de Astrologia que vem sendo desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Ficou curioso para saber mais? Fique de olho, porque logo, logo, você vai poder conferir muitas novidades lá no site >>> http://ciadosastros.com.br/ 

Mapa natal

Astrologicamente e poeticamente falando, o mapa natal é uma fotografia do exato momento em que nascemos. Mais do que isso, ele pode ser comparado a uma impressão digital. O seu mapa natal é único, e revela suas prováveis potencialidades e habilidades, possíveis desafios, traços de personalidade e tendências ao decorrer da vida.

Você certamente já ouviu em algum circuito social que o signo ‘x’ não representa sua personalidade ou modo de se comunicar, por exemplo. De repente, você mesmo já deve ter pensado isso. Já parou para pensar no motivo para essa situação ser relativamente comum?

O que determina seu signo é a posição do Sol no momento em que nasceu, mas existem muitas outras variáveis para levar em consideração ao interpretar o seu mapa e, consequentemente, seus traços de personalidade. Este é apenas o seu signo solar e um dos muitos astros que exercem influência sobre você.

Sol e Lua, por exemplo, regem os ciclos da natureza. Enquanto o Sol rege os ciclos cronológicos; a Lua, por sua vez, rege algo muito mais subjetivo: os ciclos emocionais da vida, a menstruação, o sobe e desce das marés, não a toa percebemos as mudanças de humor a partir dos ciclos lunares.

ENTENDENDO AS INDICAÇÕES DE CADA PLANETA NO MAPA

A redução da astrologia aos 12 signos do zodíaco é muito comum, e deve ser olhada com muito cuidado. O signo solar é só a ponta do iceberg, já que existem muitos outros planetas que influenciam cada pessoa de forma totalmente individualizada – como você viu resumidamente na tabela. O Ascendente, as casas astrológicas, os aspectos planetários e muitas outras variáveis permitem uma análise minuciosa de cada mapa e, consequentemente, dos traços de personalidade, tendências, habilidades ou desafios.

A mecânica astrológica não avalia nada isoladamente. Além disso, mesmo que certas configurações possam nos influenciar de forma negativa ou positiva, nada é permanente ou determinante a ponto de nos cercar, eliminando nossa capacidade de liberdade na hora de escolher ser isto ou aquilo. É tudo muito mais complexo e, ao mesmo tempo, fluido! 

Quer aprender a interpretar seu mapa natal? A temática faz parte do Novo Curso de Astrologia que vem sendo desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Ficou curioso para saber mais? Fique de olho, porque logo, logo, você vai poder conferir muitas novidades lá no site >>> http://ciadosastros.com.br/ 

Trânsitos astrológicos

Um trânsito astrológico pode ser usado de muitas formas, mas principalmente com a finalidade de conhecer melhor o momento atual e os ciclos de início, meio e fim, ou seja, aquilo que pode começar em breve, o que está se desenrolando, concretizando e finalizando em sua vida.

Como tudo em astrologia, os trânsitos astrológicos não são engessados. Isso quer dizer que eles podem ser vividos como momentos de crises ou janelas de oportunidades, dependendo dos planetas envolvidos (transitante e transitado), e da sua disposição em lidar com as situações que se apresentarem.

Para entendê-los mais assertivamente é necessário identificar no mapa, a princípio: o planeta que recebe o trânsito e a casa na qual ele está localizado.  A partir disso, você terá a indicação de qual área da sua vida estará em transformação. Aspectos mais fortes, como conjunções, quadraturas e oposições, certamente, promovem mais crescimento; já que, no intuito de resolver o que nos incomoda, direcionamos mais energia para resolver aquilo que se apresenta como um problema. Bacana, né? Lembre-se sempre que nada é permanente, tudo tem início, meio e fim!

Uma curiosidade em torno desse tema é que os trânsitos se repetem. Essa é uma ótima oportunidade de usar toda sua experiência em situações que já viveu para lidar da melhor forma possível com os desafios. As tendências vão continuar ali, mas a sua forma de agir não precisa ser a mesma.

ENTENDENDO MELHOR AS INFLUÊNCIAS

Os trânsitos astrológicos do que chamamos de “planetas lentos”, como Saturno, Urano, Netuno, Júpiter e Plutão costumam trazer mudanças mais duradouras, mas isso não é uma regra.

Trânsitos de Mercúrio, Vênus, Sol e Lua tendem a alterar o nosso estado de ânimo por pouco tempo, às vezes somente horas. Já trânsitos de Marte, por sua vez, podem contribuir para situações propulsoras de amadurecimento, e geralmente duram cerca de 4 dias.

A duração dessas influências também é relativa. No caso de Júpiter, por exemplo, as manifestações podem durar cerca de dois meses. No caso de Saturno, aproximadamente, um ano. Em trânsitos de Urano, cerca de dois anos. Netuno ou Plutão, até cinco anos!

É importante destacar a necessidade de analisar o seu mapa natal para avaliar melhor as influências dos trânsitos no seu caso, ok?

Vale lembrar que um trânsito pode ser fácil ou difícil, dependendo da sua capacidade de aceitar as mudanças e transformações. Por isso, esteja aberto! Você pode crescer muito, acredite!

A temática dos trânsitos astrológicos faz parte do Novo Curso de Astrologia que vem sendo desenhado por mim com muito carinho e dedicação. Ficou curioso para saber mais? Fique de olho, porque logo, logo, você vai poder conferir muitas novidades lá no site >>> http://ciadosastros.com.br/ 

Página 1 de 14